Dia das Crianças: mãe muda vida para ajudar filha com doença rara

Se lambuzar com doces, bolos, salgadinhos são coisas que toda criança adora. Porém, é  bem distante para Larissa Vedolin, de 14 anos de idade. Portadora de celíaca, doença que provoca intolerância ao glúten, a menina sofre desde a infância com uma dieta rigorosa sem trigo, cevada e malte. Para superar os obstáculos, ela conta com ajuda de sua mãe, Carine Vedolin, que mudou sua vida para ajudar a filha.

— Nós descobrimos que ela tinha a doença depois de 28 dias internação. Ela tinha baixa estatura, vivia com anemia e tinha uma diarreia crônica. Foi horrível saber que minha filha não poderia comer bisnaguinha, como qualquer outra criança. Descobrimos que ela tinha uma doença em que passaria a vida inteira seguindo uma dieta rigorosa.

O primeiro passo que a assistente odontológica tomou para aceitar a doença foi buscar um especialista no assunto. A intenção era encontrar alternativas para que Larissa, na medida do possível, vivesse como qualquer outra criança.

— Nós sempre fomos orientados a explicar que ela era diferente e precisava seguir a dieta para não ficar doente. Buscamos a Associação de Celíacos para mostrar que ela não era a única a ter isso. Fomos a passeatas, em festas de Natais para ela ver que outras crianças, adultos e idosos também sofriam com a doença.

Dia das Crianças: Fralda pode transmitir doença, alerta pediatra

Para ajudar a filha a superar esta dificuldade, a mãe conta que também entrou na dieta especial da filha.

— Na minha casa não entra farinha de milho. Meu macarrão é sem glúten e meus bolos também. Doces especiais são ainda complicado. Embora o mercado esteja cada vez maior para pessoas celíacas, o preço ainda é muito salgado.

Larissa se acostumou com o seu modo de vida. Desde pequena levou sua comida para a escola e seus professores eram orientados pelos pais sobre a doença, que não traz nenhum efeito colateral para a rotina da criança. Ao R7, Larissa conta que nunca se arriscou a comer algo com glúten.

— Como eu sempre vivi assim, não sinto falta. Às vezes minha família deixa de comer alguma coisa por minha causa e eu me sinto mal. Preciso falar para eles que eu não ligo que eles podem comer pizza por exemplo.

Síndrome rara faz com que menina meiga viva como um animal na jaula

Apoio da família

A celíaca é uma doença autoimune e crônica que atinge1% população mundial, de acordo com dados da Organização Mundial da Saúde. Segundo a gastro-pedriatra Cylmara Gargalack, geralmente ela é descoberta até os cinco anos de idade quando a criança tem quadro de vomito, diarreia crônica e desnutrição.

— É uma doença silenciosa, que faz com que o organismo ser intolerante ao glúten.

Para a médica, o apoio da família é fundamental para que a dieta seja feita pela criança e que ela siga ela para toda a vida.

— Tem família que fica com dó da criança e não estimula ela a fazer a dieta. O ideal é que os familiares apoiam e que se adaptem as necessidades da criança para que ela tenha consciência, assim como pai, de que as consequências da doença podem levar a um câncer de estomago e até a morte.